Os desafios no ensino pós pandemia: saiba como enfrentá-los!

Atualizado: 6 de abr.



A educação foi um dos principais setores afetados pela pandemia, que desde 2020 introduz diversas outras formas de aprendizado que não são focados apenas no modelo tradicional de ensino.


Essas novidades chegaram para mudar o cenário educacional, e hoje já se fala sobre um “novo normal” que carrega muitas características do ensino híbrido.


Depois de 2 anos, ficou claro que não há como voltar a praticar os mesmos métodos e hábitos, com as mesmas ferramentas e metodologias. É necessário se adaptar às adversidades pedagógicas.


Agora que o ano começou, o que devemos esperar desse cenário? Será que a sua gestão está preparada para os desafios dessa nova fase da educação?


Continue a leitura para entender o que muda e como você pode aprender a remar nessa maré de novidades!



Atenção para os aspectos socioemocionais!


Antes de tudo, não podemos esquecer que o isolamento social e o distanciamento escolar prejudicou os aspectos socioemocionais dos alunos.


Precisamos lembrar da importância do acolhimento mesmo antes do início das aulas. É legal pensar em preparar o período de readaptação para novamente envolvê-los àquele ambiente.


Pensando nisso, a melhor forma de acolhê-los é adaptando o cronograma a momentos de conversa, de escuta individual e coletiva. Explorar situações que envolvem e despertam os sentimentos de confiança e segurança também é uma boa ideia.


Faça com que a escola seja sempre um ambiente agradável que incentiva não só os alunos, mas toda a equipe escolar.


Trabalhar a questão lúdica dos temas, seja com jogos, música ou brincadeiras, é muito importante quando pensamos na qualidade de aprendizado, já que afeta diretamente a forma com a qual seus alunos aprendem.



Storytelling como método de ensino


Um método que engaja e envolve os alunos nos conteúdos propostos é o storytelling, que se baseia no desenvolvimento das atividades através de histórias.


Além de ser um aliado na proposta pedagógica, também é uma forma de fazer com que as crianças participem ativamente das aulas.


Essa metodologia é muito eficaz para potencializar o processo ensino-aprendizagem, justamente pelo seu poder de engajamento, além de ser uma ótima forma de estimular sentimentos de empatia, reconhecimento de falhas e pontos fracos.


A memorização do conteúdo se torna mais fácil a partir de uma narrativa, sendo até vinte vezes mais eficaz do que se apresentada de forma descontextualizada, ou seja, em aulas tradicionais. Por isso, as técnicas do storytelling são substanciais para a fixação da aprendizagem.


Nesse momento, nada mais acolhedor do que encantar os alunos com afeto e oportunidades de descontração na aprendizagem.


Nós temos um artigo especial sobre o storytelling, que explica passo a passo como desenvolver essa técnica. Dá uma olhada:




Envolva e incentive a comunidade escolar no planejamento!


Oferecer suporte para os docentes e a equipe também é importante em todo início de ano letivo, especialmente esse, que chega depois de um longo período de medo e incertezas.


Devemos lembrar que essa volta acontece depois do ensino à distância, com muitos desafios e novidades, e por isso, os professores precisam de um apoio que os incentive a fazer bom trabalho.


Lembre-se que é importante definir os caminhos que a escola quer seguir e os projetos que deseja realizar, sempre alinhando as propostas pedagógicas em conjunto com a comunidade escolar, envolvendo seu time nos objetivos da gestão.


Também é preciso pensar em formas de reinventar a equipe, sempre buscando inseri-los dentro das novidades que o mercado educacional exige.


Vivemos em um momento da educação em que a tecnologia ganhou uma posição de assistência pedagógica, tanto nas aulas online quanto nas presenciais.


Mas nem todos os professores sabem como utilizar essas ferramentas, e por isso, acabam perdendo grandes chances de inovar e produzir uma aula poderosa.


É necessário dar atenção à questão da capacitação dos profissionais da sua escola, já que eles estão diretamente ligados aos diferenciais competitivos que a instituição tem a oferecer.



A capacitação dos docentes nos diferenciais competitivos


Um dos maiores desafios dessa fase pós pandêmica é reerguer a escola, capturar mais matrículas e passar à frente da concorrência.


Com o mercado cada vez mais disputado, é indispensável adquirir diferenciais que impulsionam a instituição a ser reconhecida como autoridade.


E como você, enquanto gestor, pode fazer isso?


Valorizar os pontos fortes da comunidade escolar é uma das principais características de um bom líder, que entende que o trabalho em equipe é fundamental para o sucesso de todos os setores.


Qualificar seu time dentro das exigências do mercado é uma forte estratégia para potencializar a aprendizagem dos alunos, incentivando o time a estar sempre atualizado e especializado em um ensino de qualidade.


Sem dúvidas, esses profissionais irão se sentir mais motivados com o desenvolvimento de suas maiores habilidades e com o aprofundamento nas áreas em que eles mais gostam.


Por isso, pense em organizar o setor financeiro para realizar treinamentos, qualificações e capacitações, incluindo também diretores e coordenadores para que se envolvam nesse processo, garantindo maior segurança à equipe.


E quando falamos em diferenciais competitivos, queremos dizer que aquilo que está em ascensão no mercado deve estar incluso no seu planejamento.


Enfrentar os obstáculos de uma educação pós pandemia exige mudança, adaptação e ação.


Ao contrário do que muitos pensam, existem metodologias ativas, de fácil implantação e que não demandam envolvimento dos professores com a tecnologia.


Um exemplo disso são as plataformas de jogos educacionais, que além de serem baseados nas competências da BNCC, incentivam o engajamento voluntário dos alunos e desafogam os professores das grandes demandas do dia a dia.


Um diferencial prático e muito eficiente para as escolas que desejam enfrentar os desafios e iniciar o ano letivo um passo à frente da concorrência.




Apoio pedagógico: como garantir o aprendizado?


Outro grande desafio é a necessidade de correr atrás do déficit de aprendizado ocasionado pelos quase 2 anos de ensino à distância, que intensificou ainda mais a dificuldade de absorção dos conteúdos, além da falta de engajamento e atenção nas telas digitais.


Após a realização de um levantamento de defasagem do aprendizado, através de uma avaliação diagnóstica, é necessário inserir dentro do planejamento a elaboração do plano de recuperação para aqueles que apresentaram dificuldades com relação àquilo que foi esperado em termos de aprendizagem.


Além disso, sabemos que todos os alunos possuem seu próprio tempo de aprendizado, e que cada um aprende em um ritmo diferente do outro.


Agora é hora de identificar e trabalhar os pontos que necessitam ser desenvolvidos no processo de ensino-aprendizagem.


Personalizar o ensino ofertado é uma técnica muito eficiente para garantir que ninguém fique para trás durante a passagem do ano letivo.


Esse método consiste em utilizar algumas estratégias pedagógicas que irão desenvolver os campos intelectuais e sociais dos estudantes, individualmente, respeitando os limites e velocidade de aprendizado.


É hora de envolver os alunos nas atividades presenciais sempre com o intuito de fazê-los absorver os conteúdos, ao mesmo tempo que se sintam confortáveis com as metodologias vigentes.


Uma instituição que entende e trabalha as dificuldades dos estudantes é certamente a preferência dos pais no momento de matrícula. Auxiliar, um a um, a se tornarem profissionais aptos a terem sucesso futuramente no mercado de trabalho, também é um grande diferencial.



E agora, o que esperar da educação pós pandemia?


Do todo, uma coisa é fato: não há como voltar ao estágio anterior à pandemia. Aquele cenário educacional já não existe, e devemos nos adaptar ao novo normal.


A tecnologia continuará com força no dia a dia dos educadores, já que permite a otimização do tempo e a produção de um bom trabalho pedagógico. Esse instrumento não chegou para substituir os profissionais da educação, mas pelo contrário, surgiu para facilitar todo o trabalho escolar.


Ou seja: o gestor que não se render aos novos métodos de aprendizagem e continuar acreditando que é possível voltar ao cenário anterior à pandemia, corre o perigo de afundar sua escola.


O apoio e acolhimento, tanto dos estudantes quanto da comunidade escolar, é indispensável nesse momento de readaptação. Muitas dessas pessoas passaram por experiências de luto com familiares, amigos e pessoas conhecidas, e essas perdas precisam ser tratadas de maneira gentil.



Gostou do conteúdo? Dá uma olhada em outros assuntos que preparamos especialmente pra você!





10 visualizações0 comentário